quarta-feira, 11 de maio de 2011

Como levar o seu dinheiro em uma viagem - e economizar um pouco!

Sempre me perguntam como faço para levar o dinheiro em uma viagem: compro dólares? Levo uma quantidade em moeda do país de destino? Compro cheques de viagem ou o cartão Visa Travel Money? Na verdade, eu já experimentei todas essas opções. Atualmente, prefiro não me preocupar com isso. A opção mais prática, fácil e até mesmo mais econômica é simplesmente sacar o dinheiro com o meu cartão de débito.

Isso mesmo! Exatamente como no Brasil! Chegando ao país de destino, a primeira coisa que faço é me dirigir a um caixa eletrônico, onde retiro um montante em moeda local. E não preciso mais me preocupar em pagar aquela corrida de taxi com dólares ou ir atrás de uma casa de câmbio no aeroporto, onde certamente não farei um bom negócio.

Mas para aproveitar bem os saques no exterior, temos que nos preocupar com alguns detalhes.

Antes de viajar, procure a sua agência ou entre no site do banco e libere a função “saques no exterior” no seu cartão de débito. Atenção: é no débito mesmo, não é no cartão de crédito! Se você efetuar saques no crédito, terá que pagar aqueles juros exorbitantes. No débito, não há essa cobrança!

Aproveite e confira as taxas cobradas pelo seu banco para essa transação. As taxas variam muito em relação a cada banco, então vale a pena ficar de olho! No meu caso, eu utilizo meus cartões do Itaú e do Bradesco. O Itaú cobra nove reais a cada saque, o Bradesco, um valor fixo de US 2,50 somado a um percentual de 2,42% do valor sacado. Na única vez em que utilizei meu cartão do Bradesco, a tarifa ficou em de R$ 15,87. O Banco do Brasil informa em seu site uma cobrança semelhante à praticada pelo Bradesco, enquanto no Santander a tarifa é de R$ 13,50.

Além das tarifas, as taxas de câmbio também variam de banco a banco. Então, confira com a sua agência e compare!

Como as tarifas são fixas, pelo menos em parte, vale sacar o máximo possível de cada vez. Sendo assim, preste atenção ao valor máximo permitido para saque em cada país, e sempre retire nesse montante. Você economiza nas tarifas e ainda reduz suas idas ao caixa automático.

Além da praticidade, outros fatores influenciam na escolha pelo saque internacional em detrimento às demais opções. Uma delas é a cobrança do IOF. Por motivos além da compreensão humana, a cobrança do IOF para saques internacionais é distinta do percentual aplicável às compras com o cartão de crédito. Ao efetuarmos um saque no cartão de débito, o IOF aplicável é de 0,38%. Em uma compra com o cartão de crédito, o valor é de 6,38%! Isso, com certeza fará uma diferença no valor final, mesmo considerando a tarifa aplicada para saques.


Outras opções

Se você ainda pensa em levar cheques de viagem, os famosos Traveller’s Checks, esqueça! Nos últimos anos, caíram em desuso, principalmente com a popularização dos cartões de débito e crédito. Atualmente não são nem um pouco práticos, além de financeiramente desvantajosos. É claro que há a questão da segurança, mas não compensa a burocracia de ter que procurar um local para trocá-los, especialmente em cidades pequenas, e as taxas que serão cobradas assim que você encontrar uma casa de câmbio disposta à recebê-los.

Os cartões pré-pagos, como o Visa Travel Money, são outra possível opção. Porém utilizam a taxa de câmbio do dólar turismo, que é menos vantajosa do que as taxas utilizadas nos saques internacionais e nas compras com cartões de crédito. Mas são seguros, práticos e permitem a compra na função débito, sem o pagamento de taxas. Para os saques, entretanto, há cobrança de uma taxa de U$ 2,50 a cada operação.

Levar dólares ou euros em espécie é a opção mais comum dos viajantes. Entretanto, temos que considerar alguns aspectos, sendo o principal deles o risco de viajar com um montante elevado escondido junto ao corpo. Em alguns países, isso pode ser crítico! Além disso, a taxa de câmbio praticada na compra do papel moeda é a mais prejudicial ao turista, tornando esta uma opção desvantajosa do ponto de vista financeiro. Ah, e ter que localizar casas de câmbio, comparando as taxas utilizadas não é nada prático!

Comprar a moeda do país de destino no Brasil é um péssimo negócio! Dependendo do país a ser visitado é bastante difícil localizar alguma agência de câmbio que disponibilize a moeda desejada. E, mesmo encontrando uma, a taxa de câmbio utilizada provavelmente será muito desvantajosa! Se quiser levar dinheiro em espécie, prefira levar dólares ou euros, mesmo tendo que efetuar o câmbio duas vezes.


Diversifique!

Levando-se em conta as vantagens e desvantagens de cada operação e tentando minimizar o risco de alguma coisa sair errada, a melhor opção é diversificar. Normalmente, levo um montante em dinheiro vivo, para emergências. Algo como U$200 ou U$300, dependendo do destino e por quanto tempo você viajará. Utilizo os saques internacionais como método principal para obter moeda local, mas levo sempre dois cartões de crédito de reserva para eventuais necessidades e compras maiores.



9 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Obaaaaa!! Muito obrigada pela dica!!! Roberta

    ResponderExcluir
  3. EXCELENTE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    GOSTEI D MAIS DAS DICAS!!!!!!!!!!!!!
    MUITO PRÁTICO E UMA GRANDE INCÓGNITA NOS MOMENTOS DA CORRERIA E ESTRESSE!!!

    ResponderExcluir
  4. Boas dicas! Utilizo normalmente o cartão de crédito para pagar hoteis e compras maiores. Levo dólares ou euros, dependendo do país que estou visitando. Como estou indo para o Vietnam, Laos, Camboja e Tailândia, gostei da dica do saque em terminais, pois fazer câmbio em aeroportos é pedir para perder dinheiro logo na chegada!
    Parabéns pelo blog, tem dicas valiosas e uma redação agradável e bem didática!
    abraços

    ResponderExcluir
  5. Olá Niquet, irei fazer um mochilão pela Ásia em fevereiro, e estou com receio dos oficiais nos aeroportos pedirem para eu mostrar quanto dinheiro em espécie eu estou levando. Meu pai me contou de alguns lugares aonde eles simplesmente não deixam você entrar se não tiver uma quantia mínima em dólares consigo, para mostrar que você tem condições de se sustentar e 'se virar' enquanto estiver por lá. Você tem maiores informações sobre isso? Já passou por alguma experiência assim?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Victor, tudo bem? Essa exigência de comprovação financeira é mais comum para quem está entrando na Europa. Mesmo assim, na maioria dos casos, mostrar um cartão de crédito internacional já é suficiente para provar a sua condição financeira. Mas para quem vai para a Ásia não há essa exigência. Eu, quando entrei na Tailândia, China, Vietnã e Camboja, nunca tive que mostrar nada do tipo. Nos países que exigiam visto, eu só tive que mostrar o visto mesmo. Nos demais, apenas apresentei o passaporte e o dinheiro, quando era necessário pagar alguma taxa.

      Não sei para quais países vocês pretende ir, mas não acho que você precise se preocupar com isso. Mas, se for passar pela Europa no caminho, leve um ou mais cartões de créditos internacionais, assim como uma cópia da última fatura, para evidenciar que você tem limite disponível para a viagem.

      Bom, qualquer outra dúvida, é sé escrever!

      Abraços,

      Luiz

      Excluir
    2. Muito obrigado pela resposta!
      Os países para os quais eu irei são: Cingapura, Malásia, Tailândia, Laos, Camboja, Vietnã e Burma. Pretendo sim levar uma quantia em dólares em dinheiro vivo comigo, mas "só" algo em torno de 250 dólares para eventuais emergências e taxas para vistos.
      Estava com receio de pedirem para mostrar o quanto de dinheiro vivo estou levando e acabar sendo barrado em algum aeroporto, mas pelo visto não há essa exigência...

      Abraços

      Excluir
  6. Olá Niquet Parabéns pelo post! Excelente dicas.

    Em outubro farei minha primeira viagem internacional para estudar, ficarei um mês na Afica do Sul, Cape Town, nesse momento estou com muitas dúvida relacionadas a "dinheiro".

    O que você sugere me sugere? Pensei em:

    1 - Levar um cartão de múltiplo (débito & crédito) com a função internacional ativada + um cartão de crédito internacional adicional + uns U$100,00 dolares na mão.

    Uma dúvida, como faço para sacar dinheiro, por exemplo meu Banco é o Santander, caso no Santander não tenha caixa ou agência em Cape Town, como faço?

    Muito obrigado.

    Grande Abraço

    Rodrigo Barone

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rodrigo, tudo bem? Eu acho que o seu planejamento em relação ao dinheiro está correto. Levar um cartão de débito para efetuar os saques diretamente da sua conta, em moeda local, é a melhor opção na minha opinião. É fácil, prático e mais econômico. Mas é também importante não se esquecer de levar outro cartão (de débito ou crédito) para emergências (como roubo, bloqueio involuntário ou perda do outro cartão) e também um pouco em espécie, também para evitar qualquer tipo de transtornos ou imprevistos. Eu geralmente levo um pouco mais de US$ 100, talvez duzentos ou trezentos, mas acho que o importante é ter um pouco de dinheiro para emergências.

      Em relação à como efetuar os saques, você não precisa usar um caixa do Santander (ou de qualquer banco específico). Você vai poder sacar em qualquer caixa automático, desde que ele aceite a bandeira do seu cartão (Visa ou Mastercard, que normalmente são aceitos em todas as máquinas). Assim que chegar ao aeroporto da Cidade do Cabo, logo após a imigração e depois de recolher a sua bagagem, procure um caixa automático (ATM) e saque o maior valor permitido. Assim, você economiza na taxa cobrada pelo banco (que é um valor fixo por saque) e não precisa ficar sacando dinheiro toda hora. Só não se esqueça de liberar o seu cartão de débito na função saques no exterior! Isso já aconteceu com alguns amigos meus e foi a maior confusão!

      Espero ter te ajudado e, qualquer outra pergunta, é só escrever!

      Abraços,

      Luiz

      Excluir