quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Veja quais são as cidades mais baratas e as mais caras para fazer um mochilão!

Uma das dúvidas que mais aflige os viajantes é saber quanto que vai custar a sua aventura. Apesar das pesquisas e das estimativas, é claro que não existe uma resposta pronta para essa pergunta. Afinal, o preço de uma viagem depende muito do estilo de cada um. Alguns gostam de ficar hospedados em albergues e se contentam com refeições leves feitas em alguma barraquinha de rua. Outros não dispensam o conforto de um bom hotel e gostam de comer em restaurantes badalados. Uns adoram tomar umas e outras (e isso afeta e muito o orçamento de qualquer viajante!), enquanto outros economizam nas bebidas, mas gastam em compras. Mas, de uma forma geral, é possível estimar e comparar o custo de um lugar com o de outras cidades ou países, usando uma média básica de gastos diários. Depois, é só adaptar os valores à sua maneira de viajar e assim fica mais fácil fazer um orçamento médio do seu mochilão.

E foi exatamente isso que o site Price of Travel fez. Utilizando um orçamento básico (que inclui uma cama em um bom hostel, três refeições baratas, alguns bilhetes de transporte público, entradas em atrações turísticas e ainda algumas cervejinhas), o site elaborou um orçamento comparativo entre as principais cidades do mundo. São 116 cidades organizadas pelo custo diário de uma viagem econômica, o que dá uma excelente perspectiva de quanto custa viajar em cada país.

O interessante é que, das cinco cidades mais baratas, três estão no Vietnã (Hanói, Ho Chi Minh e Hoi An). Eu estive recentemente nessas três cidades e posso comprovar que os preços estavam muito bons mesmo! Completam o Top 5 a cidade tailandesa de Chiang Mai e ainda Pokhara, no Nepal (a campeã do ranking, com um custo médio diário de US$ 15,83).

A única cidade brasileira do ranking é o Rio de Janeiro, que está na 65ª colocação, com um custo médio de US$ 51,16. A mais cara dentre as pesquisadas é Zurique, na Suíça, com um custo diário de US$ 121 (!).

Veja abaixo a relação completa das 116 cidades classificadas. Os valores estão em dólares norte-americanos e foram levantados com base em janeiro de 2012.

1 . Pokhara, Nepal . $15.83
2 . Hanoi, Vietnam . $16.54
3 . Ho Chi Minh City, Vietnam . $17.36
4 . Chiang Mai, Thailand . $18.59
5 . Hoi An, Vietnam . $18.70
6 . Goa, India . $18.80
7 . Kathmandu, Nepal . $19.33
8 . Phnom Penh, Cambodia . $19.95
9 . Luang Prabang, Laos . $19.96
10 . Quito, Ecuador . $20.30
11 . La Paz, Bolivia . $21.55
12 . Bangkok, Thailand . $22.29
13 . Kuta, Bali, Indonesia . $22.92
14 . Manila, Philippines . $24.01
15 . Sofia, Bulgaria . $24.19
16 . Krakow, Poland . $25.53
17 . Mexico City, Mexico . $25.56
18 . Siem Reap, Cambodia . $25.70
19 . Kuala Lumpur, Malaysia . $25.72
20 . Phuket, Thailand . $25.87
21 . Belgrade, Serbia . $26.00
22 . Vientiane, Laos . $26.03
23 . Delhi, India . $26.08
24 . Cairo, Egypt . $26.23
25 . Lima, Peru . $26.23
26 . Beijing, China . $26.37
27 . Cusco, Peru . $26.51
28 . Riga, Latvia . $26.60
29 . Amman, Jordan . $26.70
30 . Fez, Morocco . $27.71
31 . Panama City, Panama . $27.90
32 . Kiev, Ukraine . $28.56
33 . Marrakech, Morocco . $28.89
34 . Sarajevo, Bosnia and Herzegovina . $29.39
35 . Antigua, Guatemala . $29.65
36 . Taipei, Taiwan . $29.90
37 . Dakar, Senegal . $30.29
38 . Cartagena, Colombia . $31.15
39 . Bucharest, Romania . $32.28
40 . Budapest, Hungary . $32.55
41 . Mumbai, India . $32.69
42 . San Jose, Costa Rica . $33.44
43 . Montevideo, Uruguay . $33.59
44 . Warsaw, Poland . $33.77
45 . Shanghai, China . $33.91
46 . Antalya, Turkey . $34.33
47 . Seoul, South Korea . $34.60
48 . Beirut, Lebanon . $34.74
49 . Santiago, Chile . $36.81
50 . Bratislava, Slovakia . $36.84
51 . Macau, China . $38.94
52 . Hong Kong, China . $38.94
53 . Istanbul, Turkey . $40.11
54 . Buenos Aires, Argentina . $41.15
55 . St. Petersburg, Russia . $42.02
56 . Singapore, Singapore . $42.54
57 . Cancun, Mexico . $43.90
58 . Zagreb, Croatia . $44.10
59 . Prague, Czech Republic . $45.03
60 . Cape Town, South Africa . $45.59
61 . San Pedro, Belize . $47.29
62 . Moscow, Russia . $47.67
63 . Las Vegas, USA . $48.40
64 . Tenerife, Spain . $49.87
65 . Rio de Janeiro, Brazil . $51.16
66 . Tallinn, Estonia . $55.05
67 . Tel Aviv, Israel . $55.91
68 . Lisbon, Portugal . $57.08
69 . New Orleans, USA . $58.90
70 . Berlin, Germany . $61.58
71 . Auckland, New Zealand . $62.30
72 . Athens, Greece . $62.50
73 . Dubai, UAE . $62.56
74 . Bruges, Belgium . $63.16
75 . Montreal, Canada . $63.76
76 . Naples, Italy . $63.82
77 . Ibiza, Spain . $64.74
78 . Madrid, Spain . $64.74
79 . Caracas, Venezuela . $64.80
80 . San Francisco, USA . $65.40
81 . Reykjavik, Iceland . $65.56
82 . London, England . $67.19
83 . Washington DC, USA . $67.80
84 . Dublin, Ireland . $67.89
85 . Dubrovnik, Croatia . $68.47
86 . Los Angeles, USA . $68.56
87 . Honolulu, USA . $68.60
88 . Vancouver, Canada . $69.15
89 . Florence, Italy . $69.61
90 . Nice, France . $70.00
91 . Barcelona, Spain . $70.26
92 . Galway, Ireland . $71.58
93 . Chicago, USA . $71.60
94 . Luxembourg City, Luxembourg . $71.71
95 . Munich, Germany . $73.95
96 . Edinburgh, Scotland . $74.38
97 . Hamburg, Germany . $74.61
98 . Miami Beach, USA . $76.20
99 . Queenstown, New Zealand . $77.21
100 . Toronto, Canada . $77.75
101 . Paris, France . $81.12
102 . Milan, Italy . $81.32
103 . Vienna, Austria . $81.84
104 . Helsinki, Finland . $82.50
105 . Rome, Italy . $82.50
106 . Copenhagen, Denmark . $82.65
107 . Melbourne, Australia . $85.96
108 . Sydney, Australia . $88.30
109 . Amsterdam, Netherlands . $88.95
110 . New York City, USA . $89.30
111 . Tokyo, Japan . $89.31
112 . Brussels, Belgium . $91.32
113 . Venice, Italy . $92.63
114 . Stockholm, Sweden . $98.37
115 . Oslo, Norway . $106.53
116 . Zurich, Switzerland . $121.36


terça-feira, 20 de agosto de 2013

Dica de Filme X – Apocalypto (2006)

Apocalypto é um filme de drama/ação escrito e dirigido por Mel Gibson e lançado em 2006. O filme é inteiramente falado na linguagem maia local, o yucateco, o que proporciona um ambiente mais realista para o roteiro. Além disso, grande parte do elenco é formado por habitantes indígenas locais, o que ajuda e muito da ambientação da obra.

O longa-metragem conta a história de “Pata de Jaguar”, membro de uma pequena e pacífica tribo, atacada por guerreiros Maias em busca de escravos e prisioneiros para serem sacrificados em gigantescos rituais religiosos. Ele esconde sua mulher grávida e seu pequeno filho e acaba capturado enquanto lutava junto aos demais membros do seu grupo. O filme retrata sua luta para escapar e retornar ao que restou da sua tribo e salvar sua família.

A crítica recebeu o filme de forma dividida, principalmente devido às confusões históricas do roteiro, misturando aspectos das civilizações Maia e Asteca (por exemplo, os sacrifícios humanos eram bem mais comuns na civilização Asteca do que na Maia). O filme foi criticado também devido à posição unilateral e fundamentalista cristã que notoriamente marca o estilo de Mel Gibson e que fica marcante na visão que o diretor demonstra dos povos pré-hispânicos (excessivamente primitivos e violentos).

Mas apesar de não ser historicamente tão preciso quanto demonstra à primeira vista e também um pouco parcial, o filme apresenta ótimas cenas de ação e de perseguição, e mostra traços da cultura e dos hábitos cotidianos das civilizações pré-hispânicas da América Central (embora misture um pouco de cada povo numa salada cultural um pouco confusa).

O filme foi indicado a três Oscars, todos eles ligados aos efeitos sonoros e à maquiagem, que realmente são de excelente qualidade, dando um ar ainda mais realista às cenas de perseguição, ação e violência (e bota violência nisso!). Além disso, foi indicado ao Globo de Ouro e ao BAFTA de melhor filme estrangeiro (concorreu nessa categoria por não ser falado em inglês). 

De um modo geral, acho que esse filme, apesar de suas falhas e imprecisões, pode ser interessante para aqueles que estão planejando embarcar numa viagem ao México e à América Central, por mostrar um pouco dos habitantes tradicionais da região, mesmo que de uma maneira mais superficial, num filme de ação e aventura.


segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Visto de turismo para a Guatemala e Belize. Precisa?

Se você, assim como eu, está pensando em dar uma passada pela Guatemala na sua próxima viagem, pode ficar tranqüilo em relação ao visto de turismo. Os cidadãos brasileiros que permanecerem no país por até 90 dias estão isentos da obrigação de obter um visto para entrar nesse país. É necessário apenas apresentar um passaporte válido e o certificado internacional de vacina contra a febre amarela.

De acordo com informações da internet, o procedimento de entrada e saída no país costuma ser muito simples e rápido, e não é necessário pagar nenhuma taxa. Entretanto, não são raros os relatos de corrupção por parte dos policiais da fronteira, principalmente para quem entra no país por terra. Os oficiais costumam exigir pagamentos de propinas (disfarçadas de taxas), em valores que variam de cinco até vinte ou mesmo trinta dólares. Tente, sempre que possível, evitar o pagamento dessas propinas, mencionando ao policial a isenção de taxas para brasileiros ou mesmo se fazendo de bobo. Não arrisque, entretanto, a sua integridade física ou a continuidade da sua viagem. É melhor pagar a “taxa” do que ser preso ou acontecer até algo pior.
 

Em relação a Belize, a exigência de vistos para brasileiros que permanecerem no país por até 90 dias foi revogada em uma decisão unilateral do governo de Belize, datada de 01 de agosto de 2012. A embaixada brasileira em Belize informa que é necessário apenas levar uma cópia da passagem de retorno ao Brasil ou de saída para outro país, além de um passaporte válido e o certificado internacional de vacina contra a febre amarela. O Serviço Consular brasileiro sugere imprimir o Oficio do Ministro da Imigração de Belize (clique no link para ver uma cópia) para apresentação ao Agente de Imigração quando da chegada ao Aeroporto Internacional de Belize City ou outro posto de imigração. Por se tratar de uma decisão relativamente recente, é recomendável aos viajantes que consultem antes de embarcar se houve alguma alteração nesse decreto.


domingo, 18 de agosto de 2013

O dólar não pára de subir. E agora, o que eu faço?

Com o dólar subindo cada vez mais, como temos visto nos últimos dias e semanas, tenho recebido muitos e-mails de viajantes preocupados e sem saber o que fazer em relação à compra da moeda norte-americana ou de euros. É melhor comprar tudo agora, antes que a cotação suba ainda mais? Ou é melhor esperar para ver se o dólar baixa um pouco? E se o plano for sacar dinheiro no cartão de débito, o que fazer?

Como é muito difícil prever as cotações futuras do dólar (se fosse possível todos os economistas estariam ricos operando no mercado de câmbio), a decisão mais racional para aqueles que têm viagem marcada para os próximos meses é ir comprando aos poucos para fazer um preço médio e evitar maiores prejuízos. É claro que, se o dólar ou o euro caírem, vocês vão ter gastado um pouco a mais. Mas, por outro lado, se o dólar seguir subindo, vocês evitarão um prejuízo maior. Comprando aos poucos, você faz um preço médio, e evita a consequência de oscilações muito grandes.

Mas isso só vale se você for levar seu dinheiro em papel moeda ou se for usar um cartão pré-pago, do tipo VTM. Nesses casos, vá comprando pouco a pouco ou no caso do VTM, carregando o saldo um pouco a cada mês ou a cada semana, até o dia da sua viagem. Caso a sua opção seja sacar o dinheiro em moeda local, usando um cartão de débito, nesse caso não há muito o que se fazer: é esperar a data da viagem e torcer.

Mas vale a pena lembrar também que o dólar está se fortalecendo em relação à quase todas as moedas do mundo. Assim, se você tem uma viagem marcada para algum país fora do eixo dólar / euro (como por exemplo para o México, como é o meu caso, ou qualquer país da América Latina, África, Ásia, etc.), o seu prejuízo é bem menor, já que o dólar também está se fortalecendo em relação ao peso mexicano e outras moedas, o que faz você ganhar um pouco nessa segunda conversão (se o dólar se fortalece, você perde na conversão real x dólar, mas ganha na conversão dólar x peso, por exemplo, compensando, pelo menos parcialmente, seu prejuízo). 

Ah, e não esqueça também que, se você for viajar para um país cuja moeda não é o dólar ou o euro, e carregar o seu VTM com dólares ou euros, você estará congelando a cotação real x dólar (e evitando perdas com um aumento posterior da cotação), mas não estará congelando a cotação da segunda conversão (por exemplo, entre dólares e pesos mexicanos), que seguirá variando ao longo do tempo.


sábado, 17 de agosto de 2013

Vai viajar em setembro? Veja para onde ir e para onde não ir.

Setembro é um dos melhores meses para viajar (alguns diriam que é a melhor época do ano!). No hemisfério norte, o verão já está de despedindo, as multidões se foram, e o forte calor ficou para trás. O outono se aproxima e com ele lindas paisagens e temperaturas mais amenas. Por outro lado, no hemisfério sul a primavera é ainda mais linda, e as temperaturas são igualmente agradáveis. Então, se você conseguiu programar as suas férias para este mês, anime-se! Existem muitas opções de roteiro para você aproveitar!

Veja abaixo algumas boas idéias. Mas atenção: mesmo nessa época do ano alguns destinos são uma furada!

Setembro é um excelente mês para visitar...

1 – Barcelona

Prefira conhecer essa magnífica cidade no outono, e você aproveitará muito mais do que no auge do verão. A temperatura vai estar agradável, o sol continua forte e os cafés cheios de turistas e locais. Mas você não precisará enfrentar horas nas filas para apreciar as obras de Gaudí. Ah, uma dica: não deixe de visitar os restaurantes e parques da região de Born. Você testemunhará o dia-a-dia local como poucos turistas fazem!

2 – Croácia

A costa da Croácia está em alta, o no mês de agosto fica cheia de turistas de todo o mundo – principalmente da Europa. Mas espere um mês e você verá que locais antes lotados e inflacionados, como a Ilha de Dogi Otok, agora estão tranqüilos e até um pouco vazios. Saia um pouco do roteiro tradicional e você terá paisagens incríveis só para você!





3 – Amazônia

A visão de intrépidos aventureiros serpenteando por trilhas que cortam a floresta Amazônica, em busca de tribos desconhecidas, povoa o imaginário de quase todos os viajantes. Se você deseja viver um pouco desse sonho, dirija-se ao melhor destino de ecoturismo da região: a Reserva Mamirauá. Lá, você poderá navegar por regiões parcialmente alagadas ou caminhar pela floresta na região seca. Além disso, níveis mais baixos nos rios significam menos mosquitos.

4 – Califórnia

Passear pela região vinícola da Califórnia na época da colheita é uma ótima maneira de conhecer os Estados Unidos em sua faceta mais bela e relaxada. Os pequenos mas belíssimos vinhedos de Santa Bárbara e a região de Paso Robles são as jóias da região. Vale a pena uma visita!



5 – China

Tomando uma região tão vasta, a China está sujeita às mais extremas condições climáticas. Do frio congelante ao insuportável calor do deserto. Assim, definir uma melhor época para desvendar esse país é uma tarefa complicada. Mas, de uma forma geral, é melhor evitar os extremos do verão e inverno, aproveitando as temperaturas mais amenas da primavera e outono. O mês de setembro, que marca o início do outono, é uma boa opção. Aproveite e vá conhecer esse incrível país! Certamente será uma experiência marcante.







Por outro lado, é melhor deixar para depois...

1 – Caribe

A região do Caribe é o destino dos sonhos de muitos viajantes, e a palavra “paraíso” é muitas vezes utilizada para descrever as qualidades do local. Mas, no mês de setembro a região caribenha é visitada freqüentemente por furações e tornados, que são capazes de destruir as férias de qualquer pessoa! Deixe para visitar essas lindas ilhas em outra época...


sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Agora suas avaliações no Tripadvisor rendem milhas na TAM!

É isso mesmo! O site TripAdvisor assinou uma parceria com o programa de pontuações da TAM, o Multiplus. Agora, a cada três avaliações que você fizer no site (sendo pelo menos uma delas de hotéis, albergues e hospedagens em geral) você ganha 300 pontos Multiplus, que podem ser trocados por milhas de TAM. A cada mês, você pode juntar até 1.200 pontos. Ou seja, são 14.400 pontos por ano! É só entrar no  Tripadvisor e começar a escrever!

Mas antes, para aproveitar a promoção, você deve estar inscrito no programa Multiplus e no site do Tripadvisor, é claro. E deve também se cadastrar na promoção, através desse link. É muito importante se inscrever na promoção antes de publicar as avaliações, senão suas críticas não valerão (isso aconteceu comigo e eu deixei de ganhar 300 milhas!). Após se cadastrar, você receberá um e-mail de confirmação e pronto! Suas críticas começam a valer milhas!

Essa parceria é excelente para aqueles que, assim como eu, sempre estão visitando Tripadvisor e estão sempre também em busca de mais milhas – e mais viagens! Só espero que essa parceria dure bastante tempo. Enquanto isso, vou aproveitando! 

Ah, essa valiosa dica eu recebi da minha amiga viajante Tatiana, que já tinha me passado a dica sobre o stopover gratuito da Copa Airlines


quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Sacando dinheiro no exterior com o cartão de débito: relato de um viajante

Em fevereiro desse ano, recebi um e-mail do viajante Carlos, que publiquei aqui no blog. Na mensagem, me perguntava sobre saques no cartão de débito, um assunto que sempre surge aqui no Cruzando Fronteiras, e que é dúvida de quase todos os viajantes. Ontem, retornando da sua viagem à Turquia, ele teve a delicadeza de voltar ao blog e me enviar outro e-mail, dessa vez passando suas impressões e experiências ao utilizar o cartão de débito durante a sua viagem. Agradeço ao Carlos por ter me escrito novamente e publico aqui a sua mensagem, pois tenho certeza de que suas experiências serão bastante úteis para muitas pessoas.

“Olá Luiz, tudo certo? Primeiramente me desculpo pela demora na resposta. Na verdade preferi ter a experiência de viajar com meu cartão de débito internacional para posteriormente descrever minhas impressões. Achei muito bacana você ter adicionado em seu site minha pergunta. Essa permuta de informações é incrivelmente rica. Dessa forma, repasso para você um adendo sobre minha experiência na utilização de cartão de débito internacional. Confirmo que é ótimo para o viajante ter um recurso de retirada de dinheiro de forma simples e em moeda local.

Dois pontos de atenção importantes para o viajante que utilizará este meio de pagamento/retirada de dinheiro:

Levei dois cartões de débito, Itaú e Bradesco, ambos devidamente liberados para utilização internacional na função débito. O cartão Itaú é duplo, crédito e débito. O cartão Bradesco somente débito. Minha perspectiva no início da viagem era de utilizar o cartão Itaú na função débito pois havia mais dinheiro disponível em minha conta corrente. Dessa forma, sempre que fazia uma compra solicitava ao responsável pela venda que utilizasse a opção de débito do cartão e não crédito. Ao checar meu extrato fui percebendo que as lojas estavam passando as compras na função crédito, sucessivamente. Tornei-me mais incisivo, solicitando mais de uma vez ao responsável pela venda que não utilizasse crédito no pagamento da compra. Não foi suficiente. Passei a usar o débito do Bradesco para as novas compras, pois ele é somente débito. Não tinha erro. As compras foram então feitas corretamente, em débito.

Em alguns Caixas Eletrônicos dos países que passei não consegui sacar dinheiro em meu cartão de débito Itaú. Dessa forma, o substituto cartão de débito do Bradesco foi a salvação novamente. Não faço aqui distinção de melhor/pior banco e sim demonstrar a importância de minimização de risco, tendo-se dois ou mais cartões disponíveis.

Aproveito esta mensagem para deixar um dever de casa em forma de dúvida. Fiz a compra de minha passagem de avião pela British Airways. Como é uma compra internacional paguei quase R$ 300 reais de IOF. Gostaria de sugestões para efetuar compras de passagens de empresas estrangeiras sem pagar esse imposto abusivo. Será que um visa travel money funcionaria? Realmente gostaria de uma alternativa.

Ademais, em uma roda de amigos surgiu a lenda que o dólar do cartão de débito é maior que o de crédito. Estou tentando tirar a prova dos nove para confirmar ou derrubar a questão. Caso seja do seu conhecimento esta questão, nos repasse, por favor!

É isso Luiz, deixo meu agradecimento pela sua resposta à minha dúvida. Parabéns pelo site! Grande abraço, Carlos.”

Eu concordo com as dicas do Carlos, e sempre ressalto aqui no blog a importância de se levar pelo menos dois cartões de débito emitidos por bancos diferentes, já que essa é uma forma de se reduzir os riscos de qualquer problema no momento dos saques, e também com limites impostos por cada banco.

Sobre as compras no débito, eu não tenho muita experiência durante minhas viagens. Mas concordo que seja a melhor opção, já que se evita o pagamento do IOF presente nas compras em crédito e também paga-se taxas menores do que aquelas pagas no momento dos saques nos caixas eletrônicos. Só é necessário prestar atenção na confusão entre débito e crédito, como o Carlos descreveu acima, já que esse erro pode sair caro!

Em relação à compra de passagens aéreas em sites do exterior, não há muita escapatória, pelo menos em alguns casos. A idéia de utilizar o cartão VTM não deve funcionar, já que a maioria dos sites aceita apenas pagamento no cartão de crédito, e o VTM não possui essa função. Pessoalmente, o que eu costumo fazer para evitar essa cobrança é comprar minhas passagens em sites como o Decolar, que não é nenhuma maravilha (muito pelo contrário), mas evita esse tipo de cobrança, além de congelar a tarifa do dólar (o que é uma grande vantagem em tempo de grande oscilação do câmbio). É importante também prestar atenção em quais empresas possuem sites ou escritórios nacionais (com cobrança em reais) e quais fazem a cobrança pelo exterior. Empresas como a Copa Airlines e a TAP fazem o faturamento em moeda local, o que é uma vantagem. Outras empresas também fazem isso, então vale sempre conferir antes de emitir um bilhete.

Sobre o câmbio cobrado no débito e no crédito, nunca reparei nessa diferença (e eu sempre checo durante as viagens), mas é sempre válido ligar para o seu banco e perguntar. Compare também as taxas entre os bancos (varia muito) e utilize sempre o que for mais vantajoso. 

Mais uma vez, agradeço ao Carlos pelo e-mail e reforço o convite: se você tem alguma pergunta, dúvida, crítica ou sugestão, não hesite em me escrever!

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Perguntas e Respostas: Ajuda em um roteiro pelo Peru, Chile e Bolívia

Sempre recebo e-mails e mensagens de pessoas com dúvidas sobre viagens. São perguntas sobre roteiros, atrações, hospedagem, dinheiro, passagens aéreas, etc. Então, resolvi criar uma seção de perguntas e respostas, que postarei aqui no Cruzando Fronteiras sempre que houver alguma pergunta interessante e que eu ache que possa ser útil para os demais leitores. Portanto, se você tiver alguma dúvida ou quiser uma ajuda no planejamento de sua viagem, é só entrar em contato. Se puder, adorarei ajudar! E quem sabe sua pergunta não aparece aqui no blog? Vamos à pergunta de hoje!

Boa noite. Decidi hoje fazer uma viagem, muito em cima da hora, já que viajo no inicio de setembro, e acredito muito que você possa me ajudar. Estou indo do Rio de Janeiro para Cuzco, conhecer Machu Picchu (ainda não sei se agüento ir andando). Voltarei à Cuzco e irei para Arequipa pela Viação Cruz Del Sur. Acontece que estou pesquisando e eu travei nessa parte! Queria saber se tem como me ajudar a planejar. Estou na dúvida entre ir pra Arica, de lá fazer a travessia do Atacama para Uyuni e então de lá pra La Paz. Ou fazer o inverso. Li em alguns lugares que sai mais barato partindo da Bolívia. Tenho ainda até o fim do mês pra voltar à Cusco para retornar ao Rio. Por favor, preciso da sua ajuda. Marcelle.

Oi Marcelle, tudo bem? Sobre sua dúvida, acho o seu roteiro fica um pouco melhor se você fizer no sentido Cuzco - Arequipa - Arica - San Pedro de Atacama - Uyuni - La Paz - Cuzco. É claro que esse é um roteiro bem longo, que vai envolver alguns trechos em ônibus noturnos, o que pode ser um pouco cansativo se você não estiver acostumada. Ainda mais se levarmos em consideração que os ônibus na Bolívia não costumam ser muito confiáveis (e nem muito confortáveis).

O trecho Cuzco - Arequipa parte às 20h ou 20h30 e leva aproximadamente 10 horas e a melhor opção mesmo é a Cruz del Sur, como você mencionou.

O trecho Arequipa - Tacna - Arica você terá que fazer durante o dia, indo de ônibus até Tacna e de lá cruzando a fronteira chilena em direção à Arica. Os ônibus da Cruz del Sur não te levam até Tacna e você terá que usar outra empresa, como a Flores, por exemplo. O trecho Arequipa - Tacna leva aproximadamente cinco horas. Contanto com o procedimento de imigração e ainda pegar um táxi ou coletivo até Atica, acho que você chegará a Arica no meio da tarde.

Arica não tem muito para se fazer, acho que uma noite lá é o suficiente para você descansar e partir no dia seguinte rumo à San Pedro de Atacama. De Arica para San Pedro, os ônibus da Turbus levam 11h30, partindo às 22h e chegando no dia seguinte às 9h30.

Em San Pedro você consegue contratar o passeio para Uyuni sem problemas. Pode ser que saia um pouco mais caro comprando o passeio no Chile (não tenho certeza disso, já que fiz o passeio a partir da Bolívia mesmo). Mas acho que se você pechinchar pode conseguir um bom preço e a diferença não justifica mudar todo o seu roteiro. Mas fique uns dias em San Pedro antes de sair para o Salar, já que a região tem algumas atrações que vale a pena conhecer.

Chegando a Uyuni, é possível pegar um ônibus noturno para La Paz no mesmo dia que você chegar do passeio. Fique uns dois ou três dias em La Paz e vá conhecer também Copacabana, que merece uns dois dias.

De Copacabana existem ônibus para Puno, que merece uma parada de uma noite para conhecer as ilhas flutuantes. E de Puno são aproximadamente seis horas de ônibus para Cuzco, o seu destino final!

Acho que, no geral, esse é um bom roteiro, e se você tiver dias suficientes, dá pra fazer sem muita correria e com tempo para aproveitar cada local e ainda descansar um pouco dos muitos ônibus noturnos que você vai ter que pegar. Bom, espero ter ajudado um pouco nas suas dúvidas... e qualquer outra pergunta que você tiver, é só escrever...


terça-feira, 13 de agosto de 2013

Visto para o México. Precisa?

Planejando uma viagem para o México? Então se prepare para uma boa notícia: os governos do Brasil e do México retomaram o acordo de isenção de vistos de curta duração em passaportes comuns, que voltou a ter vigência a partir de 00h00 do dia 16 de maio de 2013. Ou seja, a partir dessa data, os viajantes brasileiros que ingressarem no México e forem permanecer naquele país por até 180 dias não precisarão obter o visto de turismo previamente. E o mesmo vale para os mexicanos que visitarem o Brasil.

Mas é importante lembrar que a isenção de vistos de curta duração não significa que outros requisitos não possam ser solicitados ao viajante no momento do controle migratório (por exemplo, passagem de regresso, prova de meios de subsistência, comprovante de hospedagem, passaporte com validade mínima de 6 meses, etc.). Então, antes de embarcar, é importante consultar os sites do Consulado-Geral do Brasil no México (www.cgmexico.itamaraty.gov.br) e do Serviço Exterior mexicano para esclarecer as condições de ingresso naquele país e outras informações úteis para a sua viagem.

De acordo com o site do consulado brasileiro no México, os brasileiros que, ao desembarcarem em qualquer ponto no México, tenham problemas no momento do controle migratório devem solicitar autorização para contatar o Consulado-Geral do Brasil na Cidade do México da seguinte forma:

Telefone fixo:       55-4160-3953 (chamadas a partir da Cidade do México)

Plantão:                   (04455) 3455-3991 (chamadas a partir da Cidade do México)
                                    (0155) 3455-3991 (chamadas a partir de qualquer outro local no México)
     (00xx52155) 3455-3991 (chamadas a partir de qualquer lugar do Brasil)

E-mail:                       assistencia.cgmexico@itamaraty.gov.br


segunda-feira, 12 de agosto de 2013

TRVL Magazine: o mundo no seu IPad (e de graça!)

Se você ama viajar e não consegue viver sem estar com o pé (ou a cabeça) na estrada, passeando por algum lugar do planeta, ou sonhando com o próximo destino, então preste atenção nessa dica de leitura. É a revista digital TRVL, disponível gratuitamente para download na versão para IPAD, por meio da Apple Store.

Atualmente são 116 edições disponíveis gratuitamente para download e a cada quinta-feira uma nova revista é colocada no ar, sempre dedicada exclusivamente a um destino, dos mais tradicionais aos mais “exóticos” ou “alternativos”.


Dentre os destinos já percorridos, estão o Japão, Botswana, Mongólia, Galápagos, Peru, Nepal, Brugges e uma centena de outros locais, cada um deles desvendado através de muito bons textos, fotos de altíssima qualidade e até alguns vídeos bem legais.


Infelizmente, a revista só está disponível em inglês e, o pior de tudo, apenas para quem possui um IPAD (não existe versão Android). Mas, se você puder aproveitar essa dica, não deixe de baixar algumas edições e experimentar essa publicação gratuita da mais alta qualidade. Quem sabe te ajuda a escolher o destino da próxima aventura ou faz os meses de espera até as próximas férias passarem mais rápido, né? 


sábado, 10 de agosto de 2013

Vai ao Mundial de Clubes? Aproveite para conhecer um pouco do Marrocos!

Nas últimas semanas tenho recebido muitos e-mails de pessoas que vão assistir aos jogos do Atlético Mineiro no Mundial de Clubes da FIFA, que esse ano será no Marrocos, mais especificamente na cidade de Marrakesh. Os jogos serão nos dias 18 e 21 de dezembro, e quem me escreve geralmente tem apenas alguns dias livres, seja antes das partidas, seja após o jogo final. Além, é claro, dos dois ou três dias livres entre uma partida e outra.

Os dias entre as partidas são o suficiente para o viajante descobrir um pouco da magia de Marrakesh, uma das maiores atrações turísticas do mundo e um dos destinos mais interessantes que tive a oportunidade de conhecer. Se possível, fique hospedado dentro da Medina histórica (eu fiquei hospedado no Riad Andalla e recomendo!). A princípio, é um cenário confuso e um pouco assustador, principalmente para um turista de primeira viagem. Mas após o choque inicial, a Medina de Marrakesh se torna um outro mundo: antigo e histórico, mas ao mesmo tempo vivo, agitado e inigualável.

Não deixe de conhecer a famosa Praça Djema El Fna, que ganha vida após o por do sol. Saboreie a comida local de algumas das diversas barraquinhas que surgem ao anoitecer. Durante o dia, se perca das ruelas da Medina. Apesar do cenário caótico e confuso, o local é seguro para o turismo e sempre haverá alguém para ajudar a achar o caminho de volta ao hotel (em troca de alguma moedinha, é claro).

Fique atento para as chamadas à reza, que surgem cinco vezes ao dia e atravessam a cidade (no final da viagem, você não agüentará mais ouvir os gritos que ecoam nas madrugadas, perturbando seu sono).

Se o seu vôo chegar ou partir de Casablanca, saia rapidamente da capital marroquina, que não têm muito a oferecer ao turista (mas uma visita rápida à Mesquita Hassan II vale a pena). Dirija-se à Fez, antiga capital imperial. A Medina de Fez é um pouco menos confusa do que a da cidade de Marrakesh, e é um bom lugar para se adaptar aos poucos à loucura das Medinas marroquinas. O trajeto de Casablanca à Fez pode ser feito de trem em poucas horas. Mas de Fez à Marrakesh, é mais rápido ir de avião, apesar de ser uma opção bem mais cara do que o trem.  O trem de Fez à Marrakesh demora de sete a oito horas, e uma boa opção é pegar o trem das 6h50 da manhã, que chega à Marrakesh às 14h05.

Para maiores informações sobre os trens do Marrocos, acesse o site da ONCF, a empresa oficial dos trens no país e que também opera a companhia de ônibus Supratours.  Para bilhetes de ônibus outro bom site é o da CTM – foi essa empresa que eu usei para ir de Marrakesh até Essaouira, e me pareceu ser uma boa companhia.

A partir de Fez, é possível visitar o deserto, gastando apenas dois dias. Os ônibus noturnos da Supratours partem de Fez às 21h30 e chegam à Merzouga às 8h14 do dia seguinte. Em Merzouga, você está bem ao lado das dunas do deserto. E de lá é fácil organizar um passeio de camelo ou uma noite nas dunas do Saara marroquino. Voltando bem cedo das dunas, é possível pegar o ônibus de volta na mesma manhã.

De Merzouga, você pode voltar diretamente para Fez ou então pegar um ônibus até Ouarzazate, outro excelente destino a caminho de Marrakesh. Esse ônibus parte às 8h e chega em Ouarzazate às 16h. Se preferir, pegue um ônibus direto até Marrakesh que também parte às 8h e chegando doze horas depois (mas eu recomendo muito uma parada em Ouarzazate).

Durante minha viagem, eu fiz esse trajeto de carro alugado, que foi bem tranqüilo e me pareceu a melhor opção para quem prefere dirigir e tem tempo de parar no caminho e aproveitar bem a região.

Se o seu vôo chega e parte por Marrakesh e você não tiver tempo ou a intenção de ir até o norte do país, pode aproveitar um dia livre para fazer um agradável day-trip até Essaouira, uma cidade histórica no litoral marroquino, que certamente merece uma visita. Um ônibus até lá demora aproximadamente três horas e é possível ir e voltar no mesmo dia, apesar de que uma noite da cidade é mais do que recomendado (eu acabei passando duas noites por lá, mas acho que uma é o suficiente).

Para ajudar no planejamento, vale a pena acessar alguns dos posts que já foram publicados por aqui sobre o Marrocos, que podem ser muito úteis para quem está pensando no que fazer e como planejar uns dias livres por lá.  Publiquei no Cruzando Fronteiras um relato completo da minha viagem, assim como algumas dicas essenciais para um viajante iniciante no Marrocos. E respondi também a muitos e-mails sobre o Marrocos, alguns deles publicados aqui no blog. Segue abaixo alguns links que podem ajudar:

















De qualquer forma, o importante é aproveitar o Mundial de Clubes para conhecer esse incrível país. E quem sabe voltar da África com um título na bagagem e uma experiência incrível para contar por aí!

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Roteiro: um mês visitando México, Guatemala e Belize

Após longas férias de dois meses, quando estive ausente do Cruzando Fronteiras e muito ocupado com a compra do meu primeiro apartamento e as dificuldades de planejar uma mudança, etc. (processo que segue me atormentando e tomando meu tempo, pelo menos por mais algumas semanas), volto ao Blog para publicar o roteiro da minha próxima viagem, que se aproxima (agora falta pouco mais de dois meses).

Por causa da correria do meu dia-a-dia, em particular nessas últimas semanas, meu planejamento está um pouco atrasado, e ainda tenho que reservar algumas passagens aéreas locais, as principais acomodações, y otras cositas más. Mas pelo menos tenho um roteiro pronto (mas nada garante que eu o altere nos próximos dias!).

Para aqueles que não lembram, eu parto dia 30 de outubro para uma viagem de 31 dias pelo México, Guatemala e Belize, tentando unir a beleza natural da região, com uma grande dose de cultura local, comidas típicas e atrações históricas. Como a região é enorme e cheia de atrações, foi difícil unir tudo em uma só roteiro (mesmo com um mês a disposição). Mas no final, acho que o roteiro ficou bem legal. Vale dar uma conferida e, quem sabe, isso não inspira você a visitar esse lugar incrível?

Espero que o meu roteiro seja útil num futuro planejamento. E se você já visitou a região e tem alguma dica para oferecer, não deixe de me escrever! Vou adorar receber sugestões, recomendações e avisos de lugares e evitar!

Dia 01 – 30/out - Chegada à Cidade do México às 12:11. Vôo para Oaxaca às 17h20 . Dorme em Oaxaca 

Dia 02 – 31/out – Oaxaca (Dia de los Muertos)

Dia 03 – 01/nov – Oaxaca (Dia de los Muertos)

Dia 04 – 02/nov – Oaxaca (Dia de los Muertos). Às 21h, ônibus noturno para San Cristóbal de las Casas

Dia 05 – 03/nov – Chegada à San Cristóbal de las Casas às 7h

Dia 06 – 04/nov – San Cristóbal de las Casas

Dia 07 – 05/nov – San Cristóbal de las Casas

Dia 08 – 06/nov – Pela manhã, transfer para Panajachel, Guatemala. Chega ao final do dia

Dia 09 – 07/nov – Panajachel (Day trip para a feira de Chichicastenango)

Dia 10 – 08/nov – Panajachel

Dia 11 – 09/nov – Pela manhã, transfer para Antigua, Guatemala

Dia 12 – 10/nov – Antigua

Dia 13 – 11/nov – Antigua

Dia 14 – 12/mov – Pela manhã, transfer para a Cidade da Guatemala e de lá avião para Flores 

(alternativa: pegar um ônibus noturno na noite anterior, chegando à Flores pela manhã)

Dia 15 – 13/nov – Flores. Day trip para Tikal

Dia 16 – 14/nov – Pela manhã, transfer para Belize City. De lá, 30 minutos de barco para Caye Calker, Belize

Dia 17 – 15/nov – Caye Calker, Belize

Dia 18 – 16/nov – Pela manhã, barco para Chetumal e de lá ônibus para Playa del Carmen, México. 

Dia 19 – 17/nov – Playa Del Carmen

Dia 20 – 18/nov – Playa Del Carmen

Dia 21 – 19/nov – Playa Del Carmen

Dia 22 – 20/nov – Pela manhã, transfer para Mérida, com uma parada no caminho para ver Chichen Itza

Dia 23 – 21/nov – Mérida

Dia 24 – 22/nov – Mérida. À noite, avião para Guadalajara

Dia 25 – 23/nov – Guadalajara

Dia 26 – 24/nov – Guadalajara

Dia 27 – 25/nov – Ônibus para a Cidade do México. Chega no início da tarde.

Dia 28 – 26/nov – Cidade do México

Dia 29 – 27/nov – Cidade do México

Dia 30 – 28/nov – Cidade do México

Dia 31 – 29/nov – Cidade do México

Dia 32 – 30/nov – Às 15h, avião para o Rio de Janeiro.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Vai viajar em julho? Veja para onde ir e para onde não ir.

Julho, a princípio, não é um bom mês para viajar. Na Europa, multidões de turistas lotam as cidades e os preços sobem de acordo. Longas filas nos pontos turísticos prejudicam qualquer passeio. E há ainda a questão do clima no sul europeu, bem mais quente do que a maioria das pessoas imagina, com temperaturas passando dos trinta graus. Outros locais, como o Egito e o Marrocos, também sofrem com o insuportável calor de verão no deserto. Os destinos de neve na América do Sul estão no auge da temporada, fazendo com que os preços subam muito e com que as vagas nos hotéis e pousadas fiquem escassas.

Mas caso este seja o mês de suas próximas férias, não se preocupe. Com cuidado, encontramos alguns locais onde um viajante pode aproveitar com calma este complicado mês. Segue abaixo cinco dicas de locais para onde ir nesse mês de julho que se aproxima (e alguns locais onde é melhor deixar para depois).

1 – Canadá

Grande parte do Canadá permanece um enorme horizonte nevado na maior parte do ano, mas retorna com vida e beleza nos meses de verão. Nessa época tudo fica colorido, com pessoas tomando banho de sol nas praças públicas e parques. Vancouver em julho está em seu melhor momento, com temperaturas agradáveis e uma vida cultural bastante ativa. Conhecendo a cidade, não deixe de aproveitar a incrível vista no Stanley Park e não se esqueça de passear de kayak pela bela costa da cidade.

2 – Noruega

Após um inverno de uma quase constante escuridão, a Noruega começa e ver a luz em julho. Dirija-se ao ponto mais ao norte da Europa, Knivskjellodden, e observe o sol da meia-noite neste local que parece ser  o fim do mundo. Muitos habitantes locais vão estar passando suas férias no sul da Europa e, assim, o viajante poderá aproveitar com calma e tranqüilidade este belo país. Aproveite os verdes campos e saboreie os morangos e demais frutos de verão, abundantes e relativamente baratos. Os preços locais podem assustar um pouco, mas no final vai valer a pena.

3 – Bolívia

Tão próxima do Brasil e, mesmo assim, muitas vezes esquecida, a Bolívia tem muito a oferecer aos viajantes, em especial àqueles que buscam aventuras, belos cenários e uma experiência cultural única. Conheça a bela Sucre, com seus cenários coloniais. Mergulhe no mundo subterrâneo das históricas minas de Potosí, situadas a mais de quatro mil metros de altitude. Se encante com o cenário do Salar de Uyuni, que parece pertencer a outro mundo. Observe o povo local nas movimentadas ruas de La Paz. E, por fim, descanse na plácida cidade de Copacabana, nas margens do Lago Titicaca. Os preços convidativos são um atrativo extra desta viagem que certamente será uma das suas mais marcantes experiências.

4 – Colômbia

A Colômbia pode ser considerada um destino emergente para os brasileiros. Muitos estão descobrindo os encantos de Cartagena, uma pérola caribenha com suas muralhas incríveis, belos fortes históricos e boa gastronomia. Outros preferem aproveitar às belíssimas ilhas caribenhas, sendo a mais procurada delas a incrível San Andrés. Mas a Colômbia tem muito mais a oferecer. O centro arqueológico de San Augustín, no sul do país, é um tesouro ainda pouco conhecido, contendo estátuas de até três mil anos de idade. Medellín e Bogotá são centros urbanos interessantes, que oferecem de grandes museus arqueológicos a um  cenário cultural e artístico movimentado. Há ainda a bela Villa de Leyva, o centro histórico de Popayan, com suas casinhas pintadas de branco, e o divertido Parque Nacional del Café.

5 – Indonésia


Com a temporada de chuvas já distante, julho é o melhor mês para conhecer a Indonésia. Comece sua visita por Borobudur, em Java o maior monumento budista do país e uma atração considerada por muitos tão grandiosa como Agnor Wat. Aproveite também o belo cenário da região, com seus campos verdes de palmeiras. E não deixe, é claro, de visitar Bali,  o destino mais popular do país, com sua cultura unica, praias  paradisíacas e regiões de montanhas espetaculares.





É melhor não ir agora para:

1 – Marrocos

O Marrocos é um belo país, com grandes atrações e muitos encantos. Mas o clima nesse período é extremamente quente, prejudicando turistas e viajantes. A situação fica ainda pior se você planeja conhecer a região desértica próxima a Merzouga. Não deixe de conhecer esse destino incrível, mas é melhor adiar um pouco seus planos!

2 – Paris

No auge das férias de verão na Europa e nos Estação Unidos, uma multidão se dirige à capital de França em busca de seus inúmeros atrativos. As filas para conhecer a Torre Eiffel ou os grandes museus ficam bastante desagradáveis, e os preços, já bastante caros, ficam ainda mais proibitivos. Prefira conhecer Paris ou a França em outra época, preferencialmente nos meses de primavera ou no outono, quando a região fica ainda mais linda e um pouco mais vazia.

3 – Itália

Semelhante ao que ocorre na França, a Itália também sofre com a invasão dos turistas de verão. Roma, Veneza e Florença ficam lotadas nos meses de julho e agosto, tornando o turismo nesses locais um pouco menos agradável. Além disso, a temperatura em Roma sobe bastante nesse mês, ficando muitas vezes acima dos trinta graus Celsius. Se você conseguir resistir, espere um pouco mais para conhecer essa linda capital.

4 – Ibiza

Sim, o clima vai estar muito quente, o mar agradável e a vida noturna agitada. Mas a costa espanhola (assim como o litoral francês e o italiano) vai estar lotada de veranistas. Espere mais um pouco, e você aproveitará Ibiza ao máximo.



sexta-feira, 14 de junho de 2013

Perguntas e Respostas: Sacando dinheiro na África do Sul

Sempre recebo e-mails e mensagens de pessoas com dúvidas sobre viagens. São perguntas sobre roteiros, atrações, hospedagem, dinheiro, passagens aéreas, etc. Então, resolvi criar uma seção de perguntas e respostas, que postarei aqui no Cruzando Fronteiras sempre que houver alguma pergunta interessante e que eu ache que possa ser útil para os demais leitores. Portanto, se você tiver alguma dúvida ou quiser uma ajuda no planejamento de sua viagem, é só entrar em contato. Se puder, adorarei ajudar! E quem sabe sua pergunta não aparece aqui no Blog. Vamos à pergunta do dia!

Olá Niquet! Parabéns pelo post! Excelente dicas. Em outubro farei minha primeira viagem internacional para estudar, ficarei um mês na África do Sul, Cidade do Cabo. Nesse momento estou com muitas dúvida relacionadas a dinheiro. O que você sugere me sugere? Pensei em levar um cartão de múltiplo (débito & crédito) com a função internacional ativada mais um cartão de crédito internacional adicional e também uns U$100,00 dólares na mão.  Uma dúvida: como faço para sacar dinheiro? Por exemplo meu Banco é o Santander, caso no Santander não tenha caixa ou agência na Cidade do Cabo. Como faço? Muito obrigado! Grande abraço, Rodrigo.

Olá Rodrigo, tudo bem? Eu acho que o seu planejamento em relação ao dinheiro está correto. Levar um cartão de débito para efetuar os saques diretamente da sua conta, em moeda local, é a melhor opção na minha opinião. É fácil, prático e mais econômico. Mas é também importante não se esquecer de levar outro cartão (de débito ou crédito) para emergências (como roubo, bloqueio involuntário ou perda do outro cartão) e também um pouco em espécie, também para evitar qualquer tipo de transtornos ou imprevistos. Eu geralmente levo um pouco mais de US$ 100, talvez duzentos ou trezentos, mas acho que o importante é ter um pouco de dinheiro para emergências.

Em relação à como efetuar os saques, você não precisa usar um caixa do Santander (ou de qualquer banco específico). Você vai poder sacar em qualquer caixa automático, desde que ele aceite a bandeira do seu cartão (Visa ou Mastercard, que normalmente são aceitos em todas as máquinas). Assim que chegar ao aeroporto da Cidade do Cabo, logo após a imigração e depois de recolher a sua bagagem, procure um caixa automático (ATM) e saque o maior valor permitido. Assim, você economiza na taxa cobrada pelo banco (que é um valor fixo por saque) e não precisa ficar sacando dinheiro toda hora. Só não se esqueça de liberar o seu cartão de débito na função saques no exterior! Isso já aconteceu com alguns amigos meus e foi a maior confusão!


Espero ter te ajudado e, qualquer outra pergunta, é só escrever! Abraços, Luiz.